Sindicato do Comércio Atacadista de Papel, Papelão, Artigos
de Escritório e de Papelaria do Estado de São Paulo
São Paulo - SP
Holambra - SP
São Paulo - SP
São Paulo - SP
São Paulo - SP

Notícias da Fecomércio

05/05/2014  Endividamento aumenta na capital paulista

Número de famílias com contas a pagar volta a crescer em abril e atinge 51,1% do total
Legenda da imagem
Praticamente dois terços das famílias endividadas possuem parcelas a vencer no cartão de crédito.
(Arte/Tutu)

Após registrar duas quedas consecutivas, o nível de endividamento na cidade de São Paulo cresceu levemente em abril, chegando a 51,1% do total. Proporção essa que significa, em números absolutos, 1,833 milhão de famílias, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). O resultado, apesar de maior que o verificado no mês anterior – cujo porcentual de famílias com algum tipo de dívida havia baixado aos 48,4% –, é inferior aos 57,1% apurados em abril do ano passado.

De acordo com a assessoria econômica da Entidade, a justificativa para a alta entre março e abril seria o impacto no orçamento domiciliar da persistente inflação, sobretudo de alimentos, associado ao menor crescimento da renda. Diante desse cenário e para manter o mesmo padrão de consumo, as famílias estariam sendo forçadas a contrair novas dívidas.

Praticamente dois terços das famílias endividadas (66,2%) possuem parcelas a vencer no cartão de crédito. Esse tipo de dívida ficou bastante à frente das demais modalidades escolhidas pelos paulistanos: financiamentos de veículos (19%); carnês de crediário (15,6%); créditos pessoais (10,9%); financiamento imobiliário (13,4%); cheque especial (5,4%); e crédito consignado (4,2%).

Com maiores possibilidades de acesso ao crédito, as famílias de renda acima de dez salários mínimos foram as que, relativamente, mais avançaram em endividamento. De março para abril, a fatia com dívidas entre elas saltou 8 pontos porcentuais, aos 37,3%. Por outro lado, entre as famílias com ganhos de até dez salários mínimos, cuja incidência de endividadas historicamente é maior, a proporção variou de 55% para 55,9%.

A quantidade de famílias com contas vencidas também cresceu pouco, de 522,2 mil em março para 532 mil em abril – o que representa 14,8% do total. Já o número de famílias que afirmam não ter condições de pagar suas dívidas, total ou parcialmente em 30 dias, caiu no período, de 182,4 mil para 180,3 mil – ou 5% das endividadas.

Em relação ao comprometimento de renda, a maior parcela afirma precisar mais de um ano (40,8% do total) para pagar suas dívidas atuais. Na sequência, 21,3% dos endividados acreditam ter renda comprometida por até três meses; 18,5%, entre três e seis meses; e 16,1%, de seis meses a um ano. Os demais 3,3% não responderam a pergunta. O tempo médio de comprometimento de renda das famílias ficou em 7,8 meses, em abril.


 

Visite nossa página no Facebook     Visite nossa página no Twitter     Visite nossa página no YouTube
Sindicato do Comércio Atacadista de Papel, Papelão, Artigos de Escritório e de Papelaria do Estado de São Paulo - SINAPEL
Praça Silvio Romero, 132 Conjunto 72, Tatuapé - São Paulo - SP - 03323-000
www.sinapel.com.br - sinapel@sinapel.com.br
Telefone: +55 11 2941-7431