Sindicato do Comércio Atacadista de Papel, Papelão, Artigos
de Escritório e de Papelaria do Estado de São Paulo
São Paulo - SP
Itu - SP
São Bento do Sapucaí - SP
São Paulo - SP
São Paulo - SP

Notícias da Fecomércio

13/12/2016  Resolução sobre o parcelamento dos débitos das empresas inscritas no Simples Nacional

180/16

 

13/12/2016

Resolução sobre o parcelamento dos débitos das empresas inscritas no Simples Nacional

Senhor Presidente,

O Comitê Gestor do Simples Nacional publicou, na segunda-feira (12), a Resolução nº 132 de 2016, dispondo sobre o parcelamento dos débitos vencidos dos contribuintes inscritos no Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidas pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte - Simples Nacional.

Basicamente, foi regulamentado o Art. 9º da Lei Complementar nº 155 de 2016, que alterou a Lei Complementar nº 123 de 2006, que institui a Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte.

Assim, diz o referido artigo:

Art. 9o  Poderão ser parcelados em até cento e vinte meses os débitos vencidos até a competência do mês de maio de 2016 e apurados na forma do Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte - Simples Nacional, de que trata a Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006.   Produção de efeito 

§ 1o  O disposto neste artigo aplica-se aos créditos constituídos ou não, com exigibilidade suspensa ou não, parcelados ou não e inscritos ou não em dívida ativa do respectivo ente federativo, mesmo em fase de execução fiscal já ajuizada. 

§ 2o  O pedido de parcelamento previsto no caput deste artigo deverá ser apresentado em até noventa dias contados a partir da regulamentação deste artigo, podendo esse prazo ser prorrogado ou reaberto por igual período pelo Comitê Gestor do Simples Nacional - CGSN, e independerá de apresentação de garantia. 

§ 3o  A dívida objeto do parcelamento será consolidada na data de seu requerimento e será dividida pelo número de prestações que forem indicadas pelo sujeito passivo, não podendo cada prestação mensal ser inferior a R$ 300,00 (trezentos reais) para microempresas e empresas de pequeno porte. 

§ 4o  Até o mês anterior ao da consolidação dos parcelamentos de que trata o caput, o devedor é obrigado a calcular e a recolher mensalmente a parcela equivalente ao maior valor entre: 

I - o montante dos débitos objeto do parcelamento dividido pelo número de prestações pretendidas; 

II - os valores constantes no § 3o deste artigo. 

§ 5o  Por ocasião da consolidação, será exigida a regularidade de todas as prestações devidas desde o mês da adesão até o mês anterior ao da conclusão da consolidação dos débitos parcelados. 

§ 6o  Poderão ainda ser parcelados, na forma e nas condições previstas nesta Lei Complementar, os débitos parcelados de acordo com os §§ 15 a 24 do art. 21 da Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006. 

 

§ 7o  O pedido de parcelamento de que trata o § 2o deste artigo implicará desistência compulsória e definitiva do parcelamento anterior, sem restabelecimento dos parcelamentos rescindidos caso não seja efetuado o pagamento da primeira prestação.

§ 8o  O valor de cada prestação mensal, por ocasião do pagamento, será acrescido de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia - SELIC para títulos federais, acumulada mensalmente, calculados a partir do mês subsequente ao da consolidação até o mês anterior ao do pagamento, e de 1% (um por cento) relativamente ao mês em que o pagamento estiver sendo efetuado. 

§ 9o  Compete ao CGSN a regulamentação do parcelamento disposto neste artigo.

Portanto, as empresas enquadradas no Simples Nacional e que possuem débitos perante a Receita Federal do Brasil, vencidos até a competência do mês de maio do corrente ano (2016), poderão parcelar em até 120 (cento e vinte) meses acrescidos de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic), mais 1% (um por cento) ao mês. Além disso, os valores das parcelas não poderão ser inferiores a R$ 300,00 (trezentos reais).

Vale lembrar que o pedido de parcelamento implica na confissão do débito renunciando a qualquer direito de defesa na esfera administrativa ou judicial, bem como caberá ao contribuinte arcar com as custas e emolumentos do processo.

O parcelamento será disponibilizado no site da Receita Federal pelo prazo de 90 (noventa) dias a partir da sua disponibilização.

Já os débitos do Microempreendedor Individual (MEI) serão tratados em ato posterior a ser divulgado pelo Comitê Gestor do Simples Nacional.

Mais informações poderão ser obtidas na Resolução aprovada, que segue anexa.

Atenciosamente,
Assessoria Técnica.

 

Visite nossa página no Facebook     Visite nossa página no Twitter     Visite nossa página no YouTube
Sindicato do Comércio Atacadista de Papel, Papelão, Artigos de Escritório e de Papelaria do Estado de São Paulo - SINAPEL
Praça Silvio Romero, 132 Conjunto 72, Tatuapé - São Paulo - SP - 03323-000
www.sinapel.com.br - sinapel@sinapel.com.br
Telefone: +55 11 2941-7431