Sindicato do Comércio Atacadista de Papel, Papelão, Artigos
de Escritório e de Papelaria do Estado de São Paulo
Cabreúva - SP
Franca - SP
São Paulo - SP
Itu - SP
São Paulo - SP

ARTIGOS

01/09/2011  MUDANÇAS NA DISTRIBUIÇÃO DE PAPEL

As pessoas com mais de 50 anos devem lembrar-se de que, nas décadas de 50/60, todo estudante, ao terminar o curso ginasial, era presenteado com caneta Parker 21. Quem concluía o científico, ou o clássico, ou o normal, recebia a modelo 51. No final dos cursos, a maioria era premiada com a Parker 61, o máximo na linha das canetas-tinteiro, o suprassumo que alguém pudesse almejar.

Essas canetas eram consideradas verdadeiras joias pelo alto custo e pelo valor sentimental que representavam. Lembro-me de que, certa vez, uma Parker sumiu em minha escola e a diretora ordenou que todos fossem revistados. A indignação e a revolta dos alunos foram violentas. No final da revista, não foi encontrada a joia. Só no dia seguinte, o denunciante do suposto furto teve coragem e honestidade bastantes para informar que esquecera a caneta em casa e desculpar-se do imbróglio. Apesar de correto e honesto, o desmemoriado sofreu, por algum tempo, muitas restrições dos colegas inconformados com a humilhação sofrida.

Algum tempo depois, ocorreu o lançamento da caneta esferográfica, de custo insignificante, prática, de funcionamento perfeito que, sem dúvida, condenou a Parker ao esquecimento em quase todas as áreas da atividade humana.

No princípio, a esferográfica teve dificuldade de aceitação porque interesses comerciais criaram obstáculos de toda natureza, tais como, exemplificativamente: o uso dela favoreceria fraudes no preenchimento de cheques e na redação de documentos manuscritos; o texto com ela redigido seria facilmente apagado e substituído por outro do interesse do falsificador. Era uma série imensa de inverdades bem elaboradas para amedrontar incautos.

O correr do tempo encarregou-se de comprovar que, na verdade, a caneta- tinteiro estava superada e, de certa forma, obsoleta, cabendo, aos seus fabricantes, conformarem-se com a imperiosa alternativa de produzir esferográficas, o que ocorreu como mostram os dias de hoje.

Isso leva-nos a meditar sobre outras mudanças e transformações muito mais significativas e decisivas, que devemos aceitar, queiramos ou não, impostas pela globalização e que podem atingir-nos. Elas alcançam, rápida e amplamente, todos os quadrantes e influem decisivamente até na mudança de costumes seculares de sociedades infensas a novidades. Há muito, já se comenta que o papel de imprimir e escrever será a caneta-tinteiro dos próximos anos, pois com a internet e os livros eletrônicos as novas gerações não vão querer ler jornal ou livro impressos.

Muitos discordam dessa previsão, até com um toque de ironia, porém o mais sensato é que todos envolvidos na distribuição de papel tenham os pés no chão e admitam essa possibilidade para, desde já, buscar alternativas para o futuro.


O dia a dia convive com exemplos marcantes: os jornais do mundo todo reduzem as tiragens ano a ano; as revistas são lidas cada vez mais nos meios eletrônicos. Quanto às listas telefônicas, em franca agonia, quem se dá ao trabalho de consultá-las se, no "site" da operadora, com alguns toques no teclado, o consulente tem a informação?Sintomas não faltam para justificar a preocupação, que não é utópica.

Se admitirmos que os leitores de jornais, livros e revistas impressos, dificilmente abandonarão seu tradicional hábito, também devemos aceitar que as novas gerações não vão dar continuidade a essa prática que será, em futuro próximo, considerada arcaica e inaceitável.

Muitos alegam que a informática demorará para atingir a maioria da população brasileira. Mas, em contrapartida, deve-se considerar que os preços dos computadores, que dão acesso à internet, estão despencando e a presidenta Dilma tem como uma das metas a inclusão digital. As escolas particulares e algumas públicas já utilizam meios eletrônicos, que aumentam vertiginosamente ano a ano.

Talvez tudo isso que escrevo não passe de exercício de futurologia, mas as evidências devem levar-nos a pensar no assunto, com realismo, para que em breve as distribuidoras de papel não sejam atropeladas por uma esferográfica qualquer.

 

 Vicente Amato Sobrinho

 


 

Visite nossa página no Facebook     Visite nossa página no Twitter     Visite nossa página no YouTube
Sindicato do Comércio Atacadista de Papel, Papelão, Artigos de Escritório e de Papelaria do Estado de São Paulo - SINAPEL
Praça Silvio Romero, 132 Conjunto 72, Tatuapé - São Paulo - SP - 03323-000
www.sinapel.com.br - sinapel@sinapel.com.br
Telefone: +55 11 2941-7431